TQS: conheça o sistema para desenvolver projetos estruturais

TQS conheca o sistema para desenvolver projetos estruturais

No ponto em que se encontra a cadeia construtiva, não é possível mais falar em projetos estruturais sem fazer uma associação com o TQS.

Mas o que significa TQS? Para os profissionais da área, representa um upgrade ligado à melhoria e segurança de projetos estruturais. Leia mais neste post.

O que é TQS?

O sistema CAD/TQS permite o desenvolvimento de projetos estruturais de concreto armado, pré-moldado e alvenaria estrutural.

Com os softwares do sistema integrado, é possível realizar a modelagem, cálculo, análise estrutural de cada elemento de um projeto estrutural, dimensionamento de peças (vigas, lajes, pilares e blocos de fundação, etc), detalhamento das armaduras, emissão de plantas finais, etc.

Com esse sistema computacional gráfico, o  software TQS vai possibilitar melhoria em todas as etapas dos projetos estruturais, como cálculos de presença real da armaduras, análises de vibrações, cálculo de flechas sob alvenarias após a construção, fissuração do concreto, etc

Outro diferencial importante é o Sistema de Interação Solo Estrutura, que auxilia engenheiros, geotécnicos e estruturais  a elaborar os projetos de fundação e da superestrutura.

Para tanto, disponibiliza um editor gráfico com recursos eficientes para criação e edição de desenhos da arquitetura, armação, forma, etc.

Saber usar essa ferramenta, o que pode ser possível a partir de um curso de TQS, vai ao encontro dos objetivos dos engenheiros estruturais, que é dimensionar uma estrutura que seja segura em seus diversos aspectos. 

Qual é a relação do TQS com o BIM?

O BIM (Building Information Modeling ou Modelagem de Informações da Construção), cada vez mais tem se tornado requisito de projetos no país, inclusive, para os estruturais. 

Essa tendência vem acontecendo não só pela força da modernidade do setor, mas também porque há prazos para uso obrigatório da metodologia BIM no país, devido à publicação do decreto  9.377, de 17 de maio de 2018 — que sofreu atualização em 2019. 

O Governo Federal determinou, por meio da Estratégia BIM BR, prazos para alguns projetos-piloto trabalharem, obrigatoriamente, com essa metodologia. O primeiro prazo é 2021, obrigando que os projetos sejam feitos com BIM. Em 2024, é o segundo prazo, quando já haverá a obrigatoriedade de compatibilização, planejamento e orçamento em BIM, e por fim, 2028, quando o ciclo será completo com a área de manutenção e As-Built.

Essa metodologia colaborativa de trabalho, com processos integrados em toda a cadeia construtiva, permite a criação de um modelo inteligente a partir de todos os dados armazenados pelas diversas áreas envolvidas em um projeto.

No modelo tradicional, um projeto estrutural vinha sendo apresentado em 2D, porém, com o surgimento do BIM, os projetos são apresentados com a modelagem inteligente em 3D.

Dentro dessa cadeia construtiva, diversos softwares já são baseados em BIM, com ferramentas criadas para dar suporte à metodologia, como o Revit.

Parceria com TQS

Em 2016, o Grupo AJ formou uma parceria com a empresa TQS para somar nessa entrada definitiva do BIM no Brasil. Esses softwares para projetos de estrutura tem total compatibilidade com o Revit.

Essa parceria faz parte das iniciativas para completar o processo de interoperabilidade e multidisciplinaridade dentro da Metodologia BIM/Tecnologia BIM.

O TQS faz uma interação completa com o BIM e ajuda nos desafios do projetistas na cadeia. Por isso, os profissionais da área estrutural começam um projeto com base nesta tecnologia colaborativa definida pelos arquitetos.

Os modelos criados no TQS podem ser físicos, mais parecidos com as representações da arquitetura; ou analíticos, que vão proporcionar um olhar mais refinado diante da complexidade estrutural de um projeto, que pode gerar milhares de equações.

Com o TQS é possível apresentar modelos físicos, orientados por cálculos estruturais.

Exemplo da interação TQS e Revit

É só pensar: dentro de um projeto arquitetônico, desde uma residência até um edifício muito complexo, com representação física (em modelagem 3D), vai ter paredes, laje de piso, telhado, fundações, etc. Dentro dessa representação arquitetônica, também haverá a uma representação estrutural, que identifica as peças estruturais e cargas atuantes em cada ponto dessa construção.

Com o TQS, podem ser analisadas as necessidades da estrutura de cada parte de forma precisa, com lançamento de peças estruturais do anteprojeto, para 

procedimentos e correções de modelo, que vão gerar a validação, incluindo cálculos e detalhamento das armações das peças estruturais.

Após a validação, essas informações são enviadas novamente ao Revit, que promove os acabamentos gráficos nas formas para execução da obra.

A partir daí, surgem as informações necessárias para os demais processos do BIM.

A qualidade do projeto aumenta muito porque todas as interferências são identificadas, sem que sejam transferidos problemas para a execução da obra.

Curso TQS garante mais qualificação ao profissional

Quem optar por um curso TQS, seja um profissional que já atua com outras metodologias ou um estudante de engenharia que está querendo melhorar seus conhecimentos para atuar no mercado após se formar, será apresentada as configurações iniciais do software, a importação do projeto arquitetônico, lançamento de vigas, lajes, pilares, etc, além do cálculo e análises, bem como detalhamento dos elementos estruturais.

Área do Aluno

Selecione uma opção abaixo